“GCB” gera polêmica entre o público evangélico

Por , 29 de Março de 2012 @ 11:11      

A rede ABC provocou a indignação e muitos protestos ao anunciar sua nova série baseada no livro "Good Christian Bitches", da autora Kim Gatlin. A produção já havia causado polêmica quando a emissora anunciou a gravação do episódio piloto. Como forma de contornar a polêmica a emissora mudou o nome do programa para "Good Christian Belles" (Boas e Belas Cristãs), mas acabou decidindo usar somente as iniciais. Dessa forma o programa foi ao ar com o nome de "GCB".

GCB

O programa gira em torno de Amanda Vaughn (Leslie Bibb, conhecida pelo seu papel na série "Popular"), uma mulher que se vê obrigada a se mudar para sua cidade natal, Dallas, após a morte de seu marido, um golpista que estava fugindo com a amante e acabou sofrendo um acidente (enquanto recebia "carinhos" no carro). Sem outro lugar ou pessoa a recorrer, a não ser sua mãe alcoólatra, ela vai com os filhos para a cidade onde cresceu.

De volta à sua cidade, Amanda terá de enfrentar três mulheres que, durante o colégio, eram atormentadas por ela. A série explora a dubiedade de seus personagens, que por um lado são cristãs devotadas, que frequentam assiduamente a Igreja e, por outro, deixam levar pela libertinagem. O ponto de encontro das mulheres fofoqueiras, maliciosas e venenosas é, justamente, a Igreja onde congregam semanalmente. Carlene (Kristin Chenoweth, conhecida por "Pushing Daisies"), uma das personagens, usa passagens da Bíblia para fazer com que as demais entendam seus recados durante suas tramas.

Esse enredo causou uma reação imediata em diversos grupos cristãos, que se manifestaram contra a produção. De acordo com o NY Dail News, o vereador nova-iorquino Peter Vallone Jr. é um dos opositores da série e criticou a tentativa da ABC em mudar o nome do programa: "Eles não estão enganando ninguém com isso. Você não pode mudar algo que já está em sua cabeça… não somos idiotas", afirmou.

A Associação de Famílias Americanas também se posicionou sobre o caso e afirmou que o show "ridiculariza todas as pessoas que têm fé". A associação organizou um abaixo-assinado com o objetivo de boicotar a série que já reuniu mais de 200 mil assinaturas. O porta-voz da organização religiosa afirmou: "Nosso boicote realmente teve eco entre os telespectadores — especialmente na comunidade cristã — que estão chocados e horrorizados porque a ABC/Disney realmente pretende colocar no ar esse programa. É intolerância anticristã. Esse tipo de programa é um insulto a todos nós. O nome do programa é ofensivo, um insulto e uma humilhação. Uma falsa representação da comunidade cristã — não apenas isso, acho que é um insulto a todas as mulheres".

Apesar dos protestos, a ABC está produzindo a primeira temporada da série e já planeja distribuir a produção para outros países. Até o momento já foram produzidos nove episódios e quatro deles já foram ao ar.

Assunto(s): Escândalos, Novos Pilotos
Seriado(s) relacionado(s):

 

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO (VIA FACEBOOK)

Não tem Facebook? Use o formulário abaixo:
Quer ter sua foto ao lado do comentário? Cadastre-se no Gravatar!

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.

Sobre Pablo Biglia

Paranaense de coração, idolatra os seriados desde 1995, quando seu guilty pleasure era “Power Rangers”. Viciado sempre em “Friends” e “Seinfeld“. Hoje é fã fiel de “Orphan Black“, “Scorpion“, “Scandal“, “The Big Bang Theory“, “How To Get Away With Murder“, “RuPaul’s Drag Race” e Project Runway. No Twitter: @mr_biglia. Foi contra o golpe de 2016!