Viva reprisa “No Limite”, primeiro reality show do Brasil  
Por , 25 de janeiro de 2016 @ 3:16            

O ano era 2000 e os realities shows ainda não eram novidade. Ao menos não no Brasil. E foi quando a Rede Globo, pioneira no formato, trouxe o primeiro show de realidade: “No Limite“, apresentado por Zeca Camargo.

No Limite

O formato era simples: a cada semana, o Zeca Camargo anunciava novos desafios e surpresas na gincana de sobrevivência. Com direção-geral de Boninho, o programa foi inspirado no reality norte-americano “Survivor”, da CBS, um dos precursores do gênero, que virou tendência mundial.

Há 15 anos, ao longo de 23 dias, a Praia dos Anjos em Fortaleza foi cenário do confinamento de 12 participantes, com idades entre 20 e 54 anos, que toparam testar suas resistências físicas e psicológicas. A cabeleireira Elaine, a atriz Pipa, o bailarino e ex-menino de rua Vanderson, a dona de casa Ilma, o líder comunitário Amendoim, a estudante de ensino médio Hilca, o motociclista Thiago, o advogado recém-formado Marcus, a advogada Andrea, a estudante de serviços sociais Juliana, o bancário Jeferson e o aposentado Chico foram os escolhidos para vencer obstáculos, conviver em condições hostis e enfrentar os limites da competição.

Na primeira fase do programa, os integrantes foram distribuídos em duas equipes: Kuaray e Jaxi, que significam Sol e Lua em Guarani. Os grupos eram incumbidos de realizar tarefas em que todos os concorrentes precisavam participar. O time que perdesse era obrigado a optar por um dos colegas para deixar a atração e essa votação era feita secretamente no “Portal dos Quatro Elementos”. A cada conquista, os vitoriosos recebiam objetos representando água, ar, fogo e terra para preencher a mandala. Além disso, essas superações eram recompensadas com cartas que traziam notícias dos familiares, produtos de higiene e alimentos. Em determinada etapa da atração, as provas começaram a ser individuais.

“No Limite” recebeu o prêmio de melhor programa de televisão de 2000, concedido pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA).

Em agosto de 2000, o “Caldeirão do Huck” estreou o quadro Caldeirão no Limite, mostrando duas equipes – Sol e Lua – formadas, cada uma, por três familiares dos participantes de No Limite. O programa apresentava duas famílias a cada sábado.

Participaram da primeira edição do quadro a mãe e duas primas de Hilca, de Salvador, e a mãe, a irmã e o namorado de Andréa, do Rio de Janeiro. Foram ao ar seis programas ao todo, e os integrantes das equipes não podiam se separar em nenhum momento. Eles eram acompanhados por uma produtora e uma equipe de filmagem. A prova só era considerada concluída quando todos os integrantes do grupo tivessem cumprido a tarefa proposta. A equipe vencedora ganhava um carro zero. As locações eram sempre urbanas e o primeiro local escolhido foi a Rodoviária Tietê, em São Paulo. Além disso, após o fim do programa, Andréia, Elaine e Juliana foram ao “Caldeirão do Huck”, onde enfrentaram o grupo Os Travessos no quadro Trato na Escola.

Todos os concorrentes apresentaram-se no “Domingão do Faustão” uma semana depois da final, para mais uma disputa. Juliana foi considerada a mais carismática pelo público – que votou através de uma central telefônica implantada especialmente para a eleição – e ganhou um carro zero quilômetro como prêmio.

Inspirado no sucesso de “No Limite”, o “Domingão do Faustão” lançou o jogo Sufoco, uma competição com seis pessoas (três homens e três mulheres), com idades entre 21 e 40 anos, que passaram quatro dias trancados dentro de uma casa de vidro, vigiados por câmeras durante as 24 horas do dia. O grupo disputou provas de capacidade intelectual e resistência física, além de ter que saber tudo sobre os rivais. O vencedor foi escolhido pelo público, ao vivo, através de um telefone 0800. Um integrante, chamado de Sabotador, foi infiltrado no grupo para dificultar a vida de todos.

A concorrente Pipa fez uma participação, como uma repórter, no episódio O comprador de fazendas, da série Brava Gente, exibido em maio de 2001.

A carioca Andréa Baptista testou novamente sua coragem e resistência em um desafio proposto pelo “Esporte Espetacular”: desceu, de rapel, parte do Pico do Papagaio, na Floresta da Tijuca (989 metros), e saltou de asa-delta da Pedra Bonita. E posou nua para a revista “Playboy”.

A vencedora Elaine foi entrevistada no quadro Intimidade, do “Planeta Xuxa”, em outubro de 2000.

“No Limite” teve quatro temporadas e foi encerrado em 27 de setembro de 2009.

A reprise de “No Limite” estreia dia 28 de janeiro, às 23h, no canal Viva.

RelatedPost

Assunto(s): Programação, Reality Show, Séries brasileiras
Seriado(s) relacionado(s):

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

Deixe uma resposta

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.