Vale a pena: “The Good Wife”

Por , 27 de outubro de 2012 @ 15:26      

Sabe quando você ouve falar muito bem sobre uma determinada série, mas que você nunca deu confiança ou teve vontade de assistir? Pois bem, foi exatamente isso que aconteceu comigo em relação ao drama "The Good Wife". Foi tudo muito rápido, assisti ao piloto por curiosidade, quando a série já estava em sua 3ª temporada e, confesso, foi uma relação intensa de amor e ódio, tudo junto e misturado.

The Good Wife

Julianna Margulies já fazia parte da minha lista de atrizes fantásticas, desde os primórdios de "ER", detestei sua baixa no elenco e sempre acompanhei sua carreira, na tentativa de saber o que ela andava fazendo. Para minha surpresa, ela não fez praticamente NADA depois que deixou os corredores do hospital mais badalado da TV. Seu retorno aconteceu de maneira triunfante e conseguiu mostrar que mereceu todas as indicações de prêmios — e também aqueles que ganhou.

E porque vale a pena conferir "The Good Wife"? Bom, Ju Margulies já vale por si só, mas não é somente por isso. O restante do elenco vem ao encontro do talento da protagonista, o enredo é cativante, cheio de suspense, com tramas legais, juízes, advogados e muita sujeira. O plot principal, claro, cai sobre a personagem central, Alicia Florrick (Margulies), uma esposa e mãe dedicada, casada com Peter Florrick (Chris Noth), o procurador do Estado, envolvido com politicagem — e sacanagem — até o último fio de cabelo.

The Good Wife

Alicia se tornou uma verdadeira ave Fênix. Seu marido, envolvido com prostitutas, acabou preso e eles perderam tudo. A boa esposa precisou se mudar da casa da família para um apartamento e, para não deixar que nada faltasse para seus filhos, resolveu usar seu diploma de bacharel em Direito para conseguir um emprego. Agora, parte da renomada firma de advogados Lockhart/Gardner, Alicia precisa mostrar que é capaz, que tem talento e o que uma mulher machucada é capaz de fazer para provar que ninguém, jamais, tem o direito de subestimá-la.

Ferida e sozinha, Alicia precisa encontrar forças de um lugar desconhecido, ela precisa se conhecer, ela necessita saber quem ela é e qual o seu papel na história. A partir da primeira oportunidade que lhe foi dada na firma de advocacia, a agora não-tão-boa-esposa começa a construir o seu legado e consegue mostrar para o mundo que não precisa ser apenas mãe, mulher, mas que também pode ser a advogada associada Alica Florrick. Ela passa, então, a construir seu próprio nome, sem vínculo com as baixarias de seu marido.

The Good Wife

"The Good Wife" é tão boa que ainda na primeira temporada, quando estamos conhecendo os personagens, já desenvolvemos fortes ligações com eles. Começamos odiando Peter e idolatramos Alicia, achamos Kalinda (Archie Panjabi) destemida e intrigante, Diane (Christine Baranski) é determinada, forte e tem postura, enquanto Will (Josh Charles) é menos centrado e com os hormônios em alta. Porém, logo na metade da temporada, viramos o jogo sem perceber e Peter já não parece tão mau assim, conseguimos vibrar e torcer por sua reabilitação. Creepy, but true.

E agora, em sua 4ª temporada, renovada de intrigas, de muito mais sujeira, de politicagem em dobro (Peter concorre para ser governador, ao lado de Kresteva, personagem de Matthew Perry), "The Good Wife" é o programa certo para quem busca qualidade, diversidade, tensão e elenco e participações de peso. Além dos personagens principais, a série conta com nomes como Alan Cumming, interpretando Eli Gold, o mediador de crises, amigo de Peter e responsável pela sua companha como o próximo governador; Matt Czuchry é Cary Agos, o magoado advogado que perdeu seu espaço para Alicia na Lockhart/Gardner, mas que acaba retornando para firmar uma grande parceria com a protagonista.

The Good Wife

Se você ainda tem dúvidas quanto ao enredo, não se preocupe, "The Good Wife" é o drama perfeito. Sabe aquela série com muitos personagens, todos diferentes, mas que você não consegue odiar nenhum de verdade? O roteiro é impecável, as situações de tribunal, justiça e leis são todas integradas e o discurso de cada um é incontestável. Temos aqui, com toda certeza, um seriado de qualidade, de peso e com muita história para contar. Acompanhe os episódios, no Brasil, através do canal pago Universal Channel.

E se você já está super empolgado com tudo o que eu falei aqui e quer logo conhecer as histórias de Alicia e companhia, o DVD da 1ª temporada da série já está disponível para compra no Brasil. Acesse este link e adquira o box, garanto que você não vai se arrepender!

Assunto(s): Vale a pena
Seriado(s) relacionado(s):

 

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO (VIA FACEBOOK)

Não tem Facebook? Use o formulário abaixo:
Quer ter sua foto ao lado do comentário? Cadastre-se no Gravatar!

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.

Sobre Pablo Biglia

Paranaense de coração, idolatra os seriados desde 1995, quando seu guilty pleasure era "Power Rangers". Viciado sempre em "Friends" e "Seinfeld". Hoje é fã fiel de "Orphan Black", "Scorpion", "Scandal", "The Big Bang Theory", "How To Get Away With Murder", "RuPaul's Drag Race" e Project Runway. No Twitter: @mr_biglia. Foi contra o golpe de 2016!