Vale a pena assistir “True Blood” no SBT?

Por , 13 de janeiro de 2013 @ 9:50      
 

O SBT anuncia, para o dia 13 de janeiro, à 01h, a estreia da série "True Blood" em sua programação. Apesar do dia e horário ingratos, a emissora está apostando no sucesso que o seriado possa vir a fazer em sua grade. Prova disso são as chamadas na programação e a exposição de conteúdo no site do canal.

True Blood

Para os não familiarizados, "True Blood" gira em torno de Sookie Stackhouse (Anna Paquin), uma garota vista como estranha para todos. Ela prefere ficar distante e escolhe bem suas amizades, já que ela possui o dom de ouvir o pensamento das pessoas. A garota mora na pequena cidade de Bon Temps, um dos últimos lugares a não ter a presença de vampiros. Essas criaturas, sedentas por sangue, "saíram do caixão" e decidiram exigir seu espaço na humanidade.

Para manter a população mundial tranquila de ameaças, foi criado o Tru Blood, uma bebida que imita o sangue humano. A vida monótona de Sookie muda quando o vampiro Bill (Stephen Moyer) chega na cidade e decide morar no lugar. A paixão entre os dois é mútua, mas está ameaçada com a presença de um serial killer dando fim na vida dos moradores da cidade. Claro que parte do povo acha que Bill está por trás dos assassinatos, já que os vampiros ainda são vistos com desconfiança.

Produzido pelo canal americano HBO, "True Bood" leva a assinatura nos roteiros de Alan Ball, o criador da magnífica série "Six Feet Under". Ball também ficou conhecido por revelar os podres da América no elogiado filme "Beleza Americana". Assim como "Six Feet Under", Alan Ball teve liberdade para tocar em qualquer assunto, independente de quão polêmico ele fosse. Então, assistimos a um desfile na tela com cenas de violência, consumo de drogas e sexo, que fazem os filmes do Cine Privé ficarem vermelhos de vergonha. E, também, muitos palavrões, os quais foram mantidos na versão dublada, feita no Rio de Janeiro. Confesso que nunca vi uma produção dublada com tantos palavrões. Lembra muito os filmes nacionais e chega até a ser cômico.

Entrando este ano em sua sexta temporada, a atração — que é baseada em uma série de livros publicada nos EUA — apresenta, neste primeiro ano que o SBT exibe, uma trama envolvente e com muitas reviravoltas. Tem um enredo interessante, atores talentosos e carismáticos e efeitos especiais convincentes. Respondendo a minha pergunta do titulo da matéria: sim, vale a pena ficar acordado domingo, até 01h, para ver "True Blood" no SBT.

Assunto(s): Opinião, TV aberta
Seriado(s) relacionado(s):

 

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO (VIA FACEBOOK)

COMENTÁRIOS VIA SITE:
  1. Flavia Cris disse:

    Vou responder por mim. Não, não vale a pena, uma vez que se tratando de SBT ou de qualquer emissora de TV aberta, levar uma série adiante não é de seu feitio e do feitio das outras também. Lembro de Grey’s Anatomy e Ugly Betty, que a emissora passava em horário nobre e inexplicavelmente tirou do ar sem nenhuma satisfação aos telespectadores. É assim, não está dando audiência, o jeito é tirar sem se preocupar se meia dúzia de gatos pingados estão acompanhando. Então de que adianta dar moral pra uma emissora que não respeita o público? 

  2. Pablo Biglia disse:

    Mas todo mundo sabe que seriado na TV aberta é para tapar buraco, especialmente se um dia eles aparecem no horário nobre (como “Smallville” já preencheu esta posição durante várias vezes).

  3. Khaoe Pacheco disse:

    Talvez tenha me expressado errado. Quando fiz  a pergunta se vale a pena assistir True Blood no SBT eu me referia a qualidade da série e não o fato de ser exibida na tv aberta ou não.

Não tem Facebook? Use o formulário abaixo:
Quer ter sua foto ao lado do comentário? Cadastre-se no Gravatar!

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.

Sobre Khaoe Pacheco

Sou um cara que cresceu convivendo com ícones da cultura pop, como séries japonesas, americanas, filmes, gibis. Gosto das mesmas coisas de quando era criança. Não é infantilidade, apenas hobby.