Seriados no Brasil: os 10 nomes e traduções mais bizarros — parte IV  
Por , 11 de janeiro de 2016 @ 5:38            

As adaptações brasileiras de nomes de seriados vêm movimento o segmento. Depois da primeira parte do especial de “nomes e traduções mais bizarros”, lançamos a e a partes. Agora, algum tempo depois, trazemos com exclusividade a 4ª parte do especial mais aguardado do site. Confira:

Medium10º — Medium — A Paranormal
Allison Dubios é uma jovem esposa e mãe que, desde sua infância, tem lutado para entender seus sonhos e visões de pessoas mortas. Enquanto concilia sua família com a faculdade de Direito, ela trabalha como estagiária do escritório da promotoria de Mariposa County, no Arizona. E é a partir daí que ela passa a utilizar o seu dom da mediunidade para solucionar os mais complexos crimes e casos policiais.

“Medium” estreou em 2005 no Brasil, numa época especial do Canal Sony. Mais tarde, na TV aberta, ganhou a programação noturna do SBT e foi quando recebeu o nome de “A Paranormal”. A última casa da série foi o canal pago Universal Channel.

Por que isso aconteceu? Quem acompanhou de perto o programa sabe a vida que Allison leva. Não é fácil ter um dom que é desacreditando por uma grande parcela da população — pelo menos seu marido é MUITO compreensivo. Ela utiliza de sua paranormalidade para auxiliar as autoridades locais, logo, nada mais básico do que trocar “a médium” pela “paranormal”. Simples!

Chicago Fire9º — Chicago Fire — Heróis Contra o Fogo
“Chicago Fire” mostra a rotina dos oficiais do Departamento de Bombeiros de Chicago e paramédicos da Brigada 51, que arriscam suas vidas para salvar pessoas em perigo. Ao mesmo tempo, eles têm de lidar com conflitos pessoais e desafios que surgem por conta das diferenças entre os companheiros de equipe. Quando uma tragédia acaba com a vida de um membro da equipe, existe muita culpa para distribuir.

Aqui em terras nacionais, a atração faz parte do canal pago Universal Channel. Quando chegou à TV aberta, através da Rede Record, o programa teve seu nome adaptado — criativamente — para “Heróis Contra o Fogo”.

Por que isso aconteceu? Caímos aqui no clichê básico de que uma série, que retrata a rotina de uma equipe de bombeiros e paramédicos, certamente fala de heróis. Mas, como o próprio nome original revela, “Chicago Fire” traz a premissa do fogo, de heróis de uniformes salvando pessoas contra incêndios e qualquer outra ameaça pirofágica. Logo, nada mais batido justo do que adaptar o nome para algo que envolva fogo.

Growing Pains8º — Growing Pains — Tudo em Família
“Growing Pains” conta a história da família Seaver. Eles moram em Long Island, Nova York. Jason Seaver é o pai, um psiquiatra que decidiu trabalhar em casa quando Maggie, sua esposa, resolveu voltar ao trabalho de jornalista, como âncora de notícias do canal 19. Juntos, Maggie e Jason criaram 4 filhos. Eles frequentemente se preocupam com coisas como “quem vai ficar com o bebê?”, ou se eles estariam presentes para as necessidades dos filhos. Assim, as responsabilidades foram dividas para que nada desse errado.

O programa é bastante antigo, da década de 1980, porém, só chegou ao Brasil em 2003, pela Warner Channel. Alguns anos mais tarde, o SBT adquiriu os direitos de exibição da série e adaptou o nome para “Tudo em Família”. Nada atípico para um típico seriado familiar.

Por que isso aconteceu? Basicamente, ao se traduzir o nome do programa, teríamos algo como “dores do crescimento”, o que representa as dificuldades da transformação da vida, da transição da infância para a adolescência e desta para a fase adulta. Por se tratar de uma série com um núcleo familiar protagonista, nada mais óbvio do que uma adaptação mais tosca comercial como “Tudo em Família”.

7º — Married… With Children — Um Amor de Família
Married... With ChildrenAl Bundy é um vendedor de sapatos que, durante o ensino médio, era um grande jogador de futebol americano, até se casar e formar sua família totalmente fora do normal. Peg Bundy, sua mulher, é viciada em compras e em Oprah. Kelly Bundy é sua filha atraente, porém burra, e Bud Bundy é o filho que nunca tem sorte com mulheres. Steve Rhoades é o vizinho, e Marcy D’Arcy é sua ex-mulher. A partir da quarta temporada Marcy muda de marido, casando-se com Jefferson D’Arcy, que ao contrário de Steve, se entende perfeitamente com Al.

Um dos maiores clássicos da televisão, “Married… With Children” estreou no Brasil pela extinta Showtime, em 1991. Em seguida, foi transmitida pela TV aberta, na TV Bandeirantes, já com o nome adaptado de “Um Amor de Família”. Mais tarde, o Canal Sony, a Rede 21 e o Comedy Central também exibiram o seriado.

Por que isso aconteceu? O programa buscou retratar a vida de um casal um tanto quanto disfuncional, trazendo à tona a ironia da vida familiar, especialmente quando o marido e a esposa já não falam mais a mesma língua. A adaptação “Um Amor de Família” tentou se apegar a essa ironia, mas ficou muito romantizado e não representou a essência do seriado.

Aliens in America6º — Aliens in America — Raja
Quando uma mãe controladora decide inscrever sua família em um programa de intercâmbio de estudantes internacional, ela imagina que receberá em sua casa um jovem nórdico, atlético e inteligente, cuja amizade trará um benefício imediato para seu filho em seu ambiente escolar. Mas o aluno do intercâmbio acaba sendo um adolescente paquistanês muçulmano de 16 anos, com costumes religiosos que destoam da tradicional família americana.

Primeiramente, o seriado fez parte da grade de programação da Warner Channel. Tempo depois, “Aliens in America” ganhou a TV aberta e foi transmitido pelo SBT, onde ganhou a adaptação minimalista de “Raja” — nome do personagem principal do programa.

Por que isso aconteceu? A tradução literal do nome da série seria “Aliens na América”, logo, perderia todo o qualquer apelo ao ser traduzido. Trazer o nome do personagem principal à tona — e torná-lo nome da atração — pode ter sido uma estratégia válida para promover a série, mas o resultado não foi nada agradável.

Moonlighting5º — Moonlighting — A Gata e o Rato
Madeline Hayes, ou somente “Maddie”, é uma modelo de sucesso que acaba sendo enganada por seu empresário e perde toda a sua fortuna. Sem saber o que fazer diante da falta de dinheiro e cheia de dívidas, ela acaba descobrindo que a única coisa que lhe resta é integrar-se à sua agência de detetives chamada “City Angels”, depois batizada de “Blue Moon”. A agência é dirigida pelo cínico, mas charmoso, David Addison, que convence Maddie a não fechar a empresa, pois ela pode ser a saída financeira para os seus problemas. As investigações da dupla são recheadas de brigas e discussões.

O clássico protagonizado pelos astros Cybill Shpeherd e Bruce Willis estreou na década de 1980, na Rede Globo já com o nome adaptado para “A Gata e o Rato”. Mais tarde, fez a alegria dos fãs nos canais pagos Sony, Multishow e TCM.

Por que isso aconteceu? “Moonlighting”, em sua tradução livre, quer dizer clandestino. Depois de ter sido enganada por seu empresário e perder tudo, Maddie precisa se recompor e começa a trabalhar em uma agência de investigadores de maneira, digamos, “clandestina”, sorrateira, como qualquer detetive particular. E a adaptação, “A Gata e o Rato”, veio de encontro às constantes brigas e discussões que Maddie tinha com David, ressaltando suas diferenças, ao passo que reforçava a intimidade. Aceitável.

Third Watch4º — Third Watch — Parceiros da Vida
Dramáticas e comoventes histórias, que mostram o lado humanitário e desinteressado do trabalho dos bombeiros, policiais e paramédicos, autênticos heróis da vida real que na maioria dos casos passam desapercebidos nos meios de divulgação. Em emocionantes episódios, “Third Watch”, é a janela da prévia que acontece no pronto socorro, onde homens e mulheres arriscam suas vidas para salvar as de outras pessoas, no meio das mais profundas vivências de amor, companheirismo e amizade.

Este delicioso e saudoso drama chegou no Brasil no final de 1999, pela Warner Channel. Algum tempo depois, o SBT adquiriu os direitos de exibição da série e adaptou o nome para o criativo “Parceiros da Vida”.

Por que isso aconteceu? Ao se traduzir “Third Watch” de forma livre, teremos algo como “terceira vigília”, ou seja, é uma equipe específica do batalhão policial responsável pelo atendimento no que diz respeito à segurança pública. Talvez traduzir para “Terceiro Batalhão” seria algo mais próximo do real, porém, mais uma vez, caímos na romantização do título e recebemos um nome “bonitinho”.

Two Guys and Girl3º — Two Guys and a Girl — Três É Demais
Três amigos de colégio ingressam na faculdade. Dois deles, Berg e Pete, dividem um apartamento e trabalham numa pizzaria, na tentativa de reforçar o magro orçamento de que dispõem. A terceira personagem é Sharon, que mora no apartamento de cima. Pete é um estudante de arquitetura que tem um ponto de vista sempre analítico da vida, enquanto Berg, um estudante de medicina, sempre de bem com a vida, gosta de ser a cobaia dos novos remédios que desenvolve. Os dois vivem em conflito de personalidades e pontos de vista e, para completar, a namorada de Pete não se dá bem com Berg.

A série, originalmente, se chamava “Two Guys, a Girl and a Pizza Place” e, a partir da 3ª temporada, o nome foi reduzido para “Two Guys and a Girl”. O seriado fez parte da programação do canal FOX, o responsável por adaptar o nome da atração — não, não foi obra da TV aberta.

Por que isso aconteceu? Primeiramente, vamos combinar que “Três É Demais” é um plágio nada criativo de “Full House“. Ok, exposto isso, vamos continuar. Os protagonistas do show eram dois rapazes e uma moça, que estão sempre juntos, arrumando muita confusão e tudo acontece com eles. Adaptar para “Três É Demais” é algo, inclusive, muito preguiçoso, porém, seguro.

Work It2º — Work It — De Saia Justa
O chefe de família Lee Standish está desempregado há meses e o desespero passa a tomar conta de sua alma. Depois de descobrir que o mercado de trabalho está sendo dominado pelas mulheres, ele radicaliza e vai procurar emprego vestido de mulher. Bem sucedido, “ela” se torna representante de uma indústria farmacêutica. Como seu melhor amigo, Angel Ortiz, também está passando pela mesma situação, ele o convence a fazer o mesmo e os dois se tornam “amigas” de trabalho.

“Work It” nunca chegou a ser veiculado pela TV paga, ficando restrito somente à TV aberta, quando passou no SBT. Lá, portanto, foi onde recebeu a tosca fantástica adaptação “De Saia Justa”.

Por que isso aconteceu? Particularmente, a adaptação é muito machista, pois a expressão work it reflete dizer que você crê que uma pessoa é talentosa e acredita nela; então você diz “work it, girl/man“! A adaptação trouxe uma versão mesquinha da expressão, buscando associar o enredo com “saia justa”, uma expressão que representa algo desconfortável, algo chato. Funciona, se você não parar para pensar muito nisso.

Pretty Little Liars1º — Pretty Little Liars — Maldosas
Alison DiLaurentis está morta e ninguém sabe quem é o culpado por sua morte. Suas quatro amigas, antes melhores amigas, agora estão mais distantes e mais caladas, não falam sobre o que aconteceu. Afinal, quem matou Alison? Intrigas, mistérios, suspense, emoção e desconfiança. Esses são os ingredientes que movem as vidas de Aria, Spencer, Hanna e Emily, que agora estão sendo perseguidas por —A, um alguém que elas não sabem quem é, mas que sabe tudo sobre elas.

“Pretty Little Liars” é o tipo de série que “desliza” entre canais, como aconteceu com “How I Met Your Mother“, sem encontrar uma casa fixa e decente. Já passou pelo Glitz*, Boomerang e SBT e ainda não sabemos exatamente em qual dessas emissoras podemos encontrar novos episódios (em todo o caso, a Netflix é sempre um local seguro e quentinho).

Por que isso aconteceu? Quem acompanha a trajetória das garotas, sabe que elas não são maldosas. Tudo o que elas fizeram e todas mentiras que contaram, foram formas que encontraram de se proteger contra —A e não podem ser classificadas como “maldade”, porque isso seria maldade. As “mentirosinhas e lindas” sempre buscaram respostas e com certeza tinham como objetivo acabar com o império de —A. “Maldosas” é um trabalho relaxado de quem só assistiu ao piloto e lançou uma adaptação.

Encerramos aqui a 4ª parte da série especial. Deixe nos comentários sugestões de traduções bizarras para uma possível continuação. Aproveite e conheça as traduções bizarras de Portugal! 😉

RelatedPost

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

Deixe uma resposta

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.