Record anuncia a estreia de “Smash”

Por , 31 de março de 2013 @ 23:35      
 

A partir do dia 02 de abril, a Rede Record faz uma dupla estreia. A primeira delas é a versão brasileira do programa "Got Talent", uma espécie de show de talentos parecido com "Ídolos", no qual candidatos apresentam suas performances a um grupo de jurados. A atração está prevista para ir ao ar às 23h15. Mas, para os fãs de seriados, o que importa vem depois: por volta da 00h30 entra no ar "Smash".

Smash

A ideia original do seriado é do mago Steven Spielberg que, por incrível que pareça, encontrou dificuldades em levar o projeto dos papéis para as telas. "Não conseguia ninguém para comprar o show", disse Spielberg em entrevista ao site Acess Hollywood. "Até que Bob Greenwalt veio e comprou a ideia". Greenwalt é novo chefão da NBC, que tem ótimas séries em sua programação ("The Office", "30 Rock", "Law & Order: SVU"), porém, com baixa audiência.

O produtor entrou com o propósito de elevar os números da rede que, ao longo dos anos, vem caindo. Um dos planos do diretor de programação é arriscar. Por isso deu sinal verde para "Smash" em 2011. O próximo passo foi contratar a roteirista Theresa Rebeck, que tem muita experiência com peças da Broadway e sabe bem dos bastidores de uma grande produção teatral. Theresa é citada nos créditos como a criadora do programa.

Sobre o enredo: um rapaz chamado Ellis (Jaime Cepero) vai trabalhar como assistente do produtor de peças de teatro Tom (Christian Borle). Ele ouve Tom conversar com sua sócia Julia (Debra Messing, de "Will & Grace") sobre a criação de um novo show e sugere uma peça sobre a vida de Marilyn Monroe. Os dois compram a ideia (não literalmente) e decidem ir para frente, contando com o financiamento de Eileen (Anjelica Houston).

Smash

Tom só não contava com o diretor escolhido, o rígido Derek (Jack Davenport), seu nêmeses. Depois de tudo aprovado, começa a escolha do elenco. Quem fará o papel da lendária Marilyn? Diversas atrizes fazem o teste, mas duas impressionam a todos. Karen (a ex-participante do "American Idol", Katherine Mcphee) é morena, tem um vozeirão e o jeito tímido do inicio de carreira de Marilyn. Já Ivy (Megan Hilty) é loira, tem um vozeirão e o jeito despachado com que Marilyn estrelava os filmes depois da fama. Este será o embate entre as duas, a espinha dorsal desta trama envolvente que tem um número musical ou outro durante o episódio, mas não tanto quanto "Glee".

Falando na série de Ryan Murphy, a impressa vende "Smash" como uma versão adulta de "Glee". Para mim, tirando os números musicais, a diferença acaba por aí.

A vida pessoal dos personagens também tem destaque e se intercalam com a trama principal que, segundo os produtores, a cada temporada irá mostrar os bastidores de uma peça diferente. Falando em bastidores, é interessante que coisas que nós nem imaginamos que acontecem são mostradas nas telas, as preparações, ensaios exaustivos e a vida pessoal dos envolvidos indo paro ralo. E outra, que a gente sabe que acontece, também é mostrado, como o fato do diretor Derek dar em cima das garotas e fazê-las passar pelo popular teste do sofá (Karen se recusou a fazê-lo e Ivy fez, o que deu para ela ligeira vantagem para conseguir o papel).

Mesmo com tantos nomes envolvidos e uma trama interessante, pelo menos nos capítulos iniciais, a audiência do seriado vem caindo consideravelmente ao longo das exibições. Atualmente, em sua segunda temporada, é bem provável que o seriado seja cancelado. Só falta a NBC dar o anuncio oficial.

Assunto(s): Programação, TV aberta
Seriado(s) relacionado(s):

 

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO (VIA FACEBOOK)

Não tem Facebook? Use o formulário abaixo:
Quer ter sua foto ao lado do comentário? Cadastre-se no Gravatar!

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.

Sobre Khaoe Pacheco

Sou um cara que cresceu convivendo com ícones da cultura pop, como séries japonesas, americanas, filmes, gibis. Gosto das mesmas coisas de quando era criança. Não é infantilidade, apenas hobby.