Conheça "Som & Fúria", a nova série da Globo (com vídeos)

Por , 27 de junho de 2009 @ 11:03      

“A vida é só uma sombra: um mau ator que grita e se debate pelo palco, depois é esquecido; é uma história que conta o idiota, todo som e fúria, sem querer dizer nada”.

"Macbeth", William Shakespeare

Felipe CamargoHá muito desta frase nos personagens de Dante, Oliveira e Elen, vividos respectivamente por Felipe Camargo, Pedro Paulo Rangel e Andrea Beltrão. Amigos de longa data, eles têm a vida completamente impactada depois de uma apresentação de “Hamlet”, quando Dante, que fazia o papel principal, surta e sai no meio da cena do enterro de Ofélia – personagem de Elen. Na época, eles eram grandes amigos, Dante e Elen viviam uma história de amor, e Oliveira estava no auge de sua carreira como diretor. Depois da polêmica apresentação de “Hamlet”, Dante some da vida deles durante sete anos. Oliveira assume a direção artística da conceituada Companhia de Teatro do Estado (CTE), na qual Elen é a estrela. E Dante fica à frente de uma pequena e falida companhia teatral, Sans Argent.

Esse é o ponto de partida de "Som & Fúria", minissérie de 12 capítulos, captada e exibida em HDTV, baseada na série canadense “Slings and Arrows”, que estreia na Rede Globo dia 07 de julho, após "Casseta & Planeta, Urgente!"

"Som & Fúria" é mais um investimento da TV Globo em coproduções. A iniciativa nasceu com o objetivo de ampliar o repertório de programação e abrir espaço para talentos artísticos do mercado. Desde então, a emissora aposta na aproximação com produtoras independentes. A série tem a supervisão artística da TV Globo, que coproduz e acompanha todo o desenvolvimento do projeto. "Homem Objeto", "Cidade dos Homens", "Cena Aberta", "Carandiru – Outras Histórias", "Central da Periferia", "Antônia" e "Ó Pai Ó" são alguns dos exemplos de coproduções da TV Globo na área de dramaturgia.

“Luxúria, loucura, tudo isso tem no Som & Fúria”
Na noite de abertura de “Sonho de Uma Noite de Verão”, Oliveira dirige pela sétima vez o espetáculo e Elen interpreta pela quarta vez Titânia. O Teatro Municipal está lotado para a estreia, mas a apresentação arranca aplausos mornos e risos constrangidos. Na coxia, Oliveira assiste à televisão ao lado do zelador Naum, personagem de Gero Camilo, e durante um noticiário vê Dante sendo despejado, por falta de pagamento, do seu teatro. Ele relembra o amigo e, depois da apresentação, telefona para Dante. Eles trocam farpas e acusações sobre o destino que cada um tomou depois da fatídica apresentação de “Hamlet”. Desiludido, Oliveira caminha sem destino pelas ruas do centro de São Paulo quando é atropelado por um caminhão de presunto e morre, logo no primeiro capítulo. A partir deste momento, a vida de Dante sofre uma reviravolta em pleno velório do amigo.

Entretanto, Dante – cujo temperamento lembra o do próprio Hamlet, dramático, angustiado e um tanto louco – é convidado a assumir a direção artística do CTE. “Não se sabe ao certo se ele está atuando ou enlouquecido mesmo, porém ao contrário do príncipe da Dinamarca, Dante não quer vingança, ele quer juntar os pedaços do seu passado e seguir adiante”, diz Felipe Camargo. Em toda a companhia, Elen é a pessoa que mais fica atormentada com a chegada de Dante. Ela é a grande diva do teatro, que passa por um momento de transição, está num momento da carreira em que se despede dos papeis de princesas para encarar as rainhas, e assiste à chegada de novos talentos, o que a frustra e a deixa insegura.

Na outra ponta da história está Ricardo da Silva, personagem de Dan Stulbach. Diretor financeiro da companhia, ele vive preocupado com as contas e com o mau desempenho da temporada de Shakespeare. Ricardo não poupa esforços para alavancar a bilheteria. Rapidamente, ele se junta a Graça, personagem de Regina Casé, uma funcionária da Secretaria de Cultura que não tem o menor escrúpulo para conseguir o que quer – e que, neste caso específico, pretende transformar a companhia em uma grande empresa de musicais.

Em uma das tentativas de Ricardo para atrair um grande público ao teatro é a contratação de Jaques Maia, vivido por Daniel de Oliveira. O jovem é um galã de novelas que não tem carreira nos palcos de teatro. Dante enfrenta a fúria dos atores mais antigos da companhia, que torcem o nariz para o novo integrante, e também tem que lidar com o método pouco ortodoxo de Jaques nos ensaios. A mais atingida na montagem de “Hamlet” é Elen, que vive Gertrudes. Ela não se esforça para ajudar o colega de trabalho e desdenha da nova montagem. Por outro lado, Kátia, personagem de Maria Flor, vê sua chance quando a protagonista sai da companhia entregando-lhe o papel de Ofélia. Em meio aos ensaios, ela se envolve com Jaques.

O dilema vivido na trama é atrair grandes plateias e patrocinadores e, ao mesmo tempo, manter o frescor e o ineditismo da área artística da companhia. E é neste descompasso que entra o humor. Se nos palcos os atores vivem os grandes personagens dramáticos de Shakespeare, nos bastidores a vida é uma comédia. Dante convive com as ideias loucas e, muitas vezes, equivocadas do administrador Ricardo para trazer mais público para o teatro, como a contratação do publicitário Sanjay, vivido por Rodrigo Santoro. E por outro lado, Ricardo aceita, muitas vezes por medo, os métodos estranhos de Dante em realizar os ensaios e conduzir os elencos.

Produção de arte:
“Hamlet”, “Sonho de uma Noite de Verão”, “Macbeth” e “Romeu e Julieta” são as 4 peças encenadas durante a minissérie. Mais de 500 figurinos para todo o elenco e muita maquiagem para Titânia, Ofélia, Gertrudes, Lady MacBeth e tantos outros personagens. O diretor de arte, Cássio Amarante, entrou nesta jornada a convite de Fernando Meirelles. “O grande desafio foi recriar as quatro peças de Shakespeare com linguagem de teatro para uma série de TV. Muitas cenas foram rodadas no próprio Teatro Municipal, mas contamos também com a réplica do teatro construída nos estúdios da O2, em Cotia”, diz Amarante.

A maquiadora, Anna Van Steen, e a figurinista, Verônica Julian, também tiveram cuidado na reprodução das peças para a minissérie. “A grande delícia de trabalhar em "Som & Fúria" foi fazer os figurinos das peças de Shakespeare e, o maior desafio, foi a quantidade de material produzido para esta minissérie”, diz Verônica. Cada ator representava vários personagens, com muita troca de roupa. “A Andrea Beltrão, por exemplo, vive Elen, que faz Titânia (“Sonho de Uma Noite de Verão”), Ofélia (“Hamlet”), Gertrudes (“Hamlet”) e Lady Macbeth (“Macbeth”)”, explica a figurinista. “Fizemos uma grande pesquisa para aprender a técnica da maquiagem para HDTV, fizemos uma maquiagem mais suave tomando cuidado com cada esponjada de pó para não dar o efeito errado”, diz Anna.

Seleção de elenco:
O processo de seleção de elenco começou quatro meses antes do início das gravações, que aconteceram em julho de 2008. A produtora de elenco, Cecília Homem de Mello, assistiu à série original para criar referências. Para compor o elenco, Cecília traçou dois caminhos distintos: a aproximação com características do original ou a oposição total. “No original, Naum é negro, alto, com porte atlético; em ‘Som & Fúria’, o personagem é vivido por Gero Camilo, um ator brilhante que dá outro tom, sem aquela presença de guarda-costas”, diz Cecília. Em alguns papéis, Fernando Meirelles já tinha os nomes definidos, como no caso do Dante e da Graça, vividos respectivamente por Felipe Camargo e Regina Casé. A participação de Rodrigo Santoro também era um desejo antigo. Em apenas três dias – brecha em sua agenda entre o lançamento dos filmes “La Leonera” e “Che” – Santoro gravou a participação como Sanjay. “A minissérie tem um elenco incrível, é muito bem escrita e tem o Fernando como maestro”, diz Santoro.

Com informações da assessoria de imprensa da Rede Globo.

Assunto(s): Séries brasileiras
Seriado(s) relacionado(s):

 

Receba nossas publicações por e-mail:

 

 

DEIXE SEU COMENTÁRIO (VIA FACEBOOK)

COMENTÁRIOS VIA SITE:
  1. […] mais nova produção da Rede Globo, a série “Som & Fúria“, estreou na última terça-feira, dia 07 de julho. A novidade? O seriado conta com um […]

Não tem Facebook? Use o formulário abaixo:
Quer ter sua foto ao lado do comentário? Cadastre-se no Gravatar!

ATENÇÃO:
Toda e qualquer mensagem publicada através do sistema de comentários não reflete a opinião deste site ou de seus autores. As opiniões enviadas através deste sistema são de exclusiva e integral responsabilidade dos visitantes que dele fizerem uso.

Sobre Pablo Biglia

Paranaense de coração, idolatra os seriados desde 1995, quando seu guilty pleasure era "Power Rangers". Viciado sempre em "Friends" e "Seinfeld". Hoje é fã fiel de "Orphan Black", "Scorpion", "Scandal", "The Big Bang Theory", "How To Get Away With Murder", "RuPaul's Drag Race" e Project Runway. No Twitter: @mr_biglia. Foi contra o golpe de 2016!